O Estado ainda mantinha 20 “agências de desenvolvimento regional” espalhadas em seu território, mas com pouco poder de decisão. Todas elas foram extintas e as associações de municípios se tornaram o principal canal entre o Governo e as regiões.